O que é?

É uma substância natural derivada da fermentação de carboidratos (açúcar e farinha de cereais). Embora muitas pessoas acreditem seja estimulante, é um droga depressora do Sistema Nervoso. Quando ingerido em doses pequenas, o seu efeito é tranqüilizante, afetando o autocontrole. Em doses maiores, diminui os sentidos e altera a coordenação motora, o juízo e a memória. Bebido em doses altas, e por tempo prolongado, pode danificar o fígado, o coração e o cérebro, apesar de existirem fatores físicos, mentais e ambientais que produzem diferentes reações nas pessoas. Os motivos porque as pessoas bebem são os mais diversos: culturais, pessoais, religiosos ou sociais - os mais freqüentes. Em reuniões ou festas, geralmente, todos bebem para relaxar ou participar mais de um grupo. Já outros bebem para esquecer as preocupações, fugir às tensões. Mesmo que a ingestão do álcool seja moderada, ela pode ser perigosa. Pois é o bastante para poder provocar acidentes, como os de trânsito, por exemplo.

Sintomas

Os sintomas de uma pessoa alcoolizada são os mais fáceis de notar. Além do desagradável cheiro de álcool, observa-se alterações na coordenação motora e na percepção, distorção visual, fala balbuciante e diminuição na capacidade de lembrar e pensar.

Efeitos e Danos

E os efeitos tóxicos do álcool podem levar à morte, pois deprimem o centro do cérebro que controla a respiração. A crença de que seja nutritivo é falsa. O conteúdo calórico que ele apresenta nada tem a ver com proteínas, gorduras ou vitaminas. O álcool, quando bebido por período longos, provoca a destruição das vitaminas A, B2, B3, B6, B12 e C do organismo. O álcool está relacionado com a origem de algumas doenças como: gastrite, pancreatite, cirrose, polineurite, convulsões, delirium tremens, anemia, pelagra, úlceras cutâneas, etc. A mulher grávida que bebe grandes quantidades da droga corre o risco de ver seu bebê nascer com anomalias físicas e mentais. Tornando-se um alcoólatra, ou alcoólico, o indivíduo não consegue controlar o impulso de beber. Isso traz conseqüências negativas a sua família, no emprego e com os amigos, porque afeta a sua própria vida como também a de quem o rodeia. É um indivíduo que só vive se beber.

Curiosidades

Um motorista embriagado, mesmo que se sinta lúcido, terá seus reflexos psicomotores desorganizados, por isso é um suicida e um criminoso em potencial, ainda que involuntário. O modo como o álcool afeta o comportamento humano varia de indivíduo para indivíduo. Mas pode-se saber as diferentes taxas de concentração de álcool no sangue e os efeitos que ela causa. * No Brasil as leis de trânsito (resolução 476 de 1974) consideram dirigir em estado de embriaguez, quando o nível de álcool no sangue (alcoolemia) for igual ou superior a 0,8g/l ou o nível de ar exalado (no bafômetro) for 0,00038g/l.

A porcentagem de álcool encontrada nas bebidas mais comuns são:

cerveja (baixo teor) 0,2 a 2
cerveja (médio teor) 2 a 4,2
cerveja (alto teor) 4,2 a 7
vinho de mesa 10 a 13
champanhe 10 a 13
licores 18 a 24
compostos 12 a 20
whisky 36 a 24
conhaque 36 a 24
bagaceira 38 a 24
brandy 32 a 40
rum 40 a 41
vodka 40 a 41
gin 40 a 47
tequila 40 a 46

Uma dose aproximadamente de 1 ml/kg de etanol absoluto (92 a 99% etanol) geralmente resulta em níveis no sangue de 100 a 120mg/dl. Uma concentração no sangue entre 120 a 300mg/dl já determina sinais e sintomas. * Veja na tabela abaixo a comparação de sintomas apresentados por bebedores esporádicos e etilistas crônicos de acordo com a variação das concentrações sangüíneas de etanol:

Concentração de etanol (mg/dl) Bebedores esporádicos Bebedores crônicos
60 euforia sem efeitos observados
72 gregário e falante normalmente sem efeito
100 sem coordenação; legalmente intoxicado sinais mínimos
122 - 120 descontrole episódico, comportamento liberado euforia agradável ou início de incoordenação
200 - 220 perda do estado de alerta, letargia necessidade de esforço para manter controle emocional e motor
300 - 320 topor ou coma sonolência e letargia
mais de 200 alguns morrerão coma

A tabela abaixo relaciona os níveis de etanol sangüíneo e sinais e sintomas de intoxicação:

Nível de etanol sangüíneo / Nível de intoxicação
20mg/dl leve: diminuição da inibição, leve incoordenação
100mg/dl leve-moderação: diminuição das reações, alteração das habilidades sensoriais, inabilitado para dirigir
120mg/dl intoxicação legal: alteração da personalidade, mudança de comportamento
200mg/dl intoxicação moderada: náusea, vômito, confusão mental, andar cambaleante
300mg/dl intoxicação moderada - severa: fala arrastada, diminuição sensorial, distúrbios visuais
400mg/dl severa: hipotermia, hipoglicemia, perda do controle muscular, perda da memória, convulsões
700mg/dl potencialmente letal: inconsciência, diminuição dos reflexos, falência respiratória, morte

Portanto, não há nenhuma vantagem em beber e dirigir: isso não prova a habilidade de ninguém, pode apenas comprovar a ignorância sobre os efeitos do álcool no organismo. Como os centros cerebrais do julgamento lógico são os primeiros a serem afetados pelas bebidas, uma pessoa que bebe quase sempre pensa estar agindo mais sobriamente do que na realidade está.

A Famosa Ressaca

A palavra ressaca é usada para descrever diferentes efeitos posteriores da ingestão de bebidas alcoólicas. O mais comum deles é a dor de cabeça. A maioria das dores de cabeça de ressaca é talvez causada pelo abuso de fumo que geralmente acompanha as noitadas alegres e pelo fato de que os locais em que se bebe são freqüentemente pouco ventilados e cheios de fumaça. O segundo componente de uma ressaca é o enjôo, o estômago embrulhado. Sua causa é a irritação do revestimento do estômago provocada pelo álcool. Esse efeito pode reduzido se a pessoa come durante ou antes de começar a beber. Os alimentos apenas diluem as bebidas, tornando-as menos irritantes para o estômago, como também atrasam a absorção do álcool na corrente sangüínea. Mas, quase sempre, uma ressaca é uma combinação de dor de cabeça, náuseas, tontura, letargia (sono profundo) e sensação de estar boiando a uns 12 centímetros do solo. A maioria desses sintomas resulta da desidratação. O corpo torna-se desidratado depois de uma bebedeira porque o álcool é diurético: estimula os rins a filtrarem a água do sangue. Assim, uma pessoa que bebe elimina mais água na urina do que a quantidade que ingere. Se uma pessoa toma 3 litros de cerveja durante uma noite, ela urina mais de 3 litros de água. Na manhã seguinte seu corpo estará desidratado e o engrossamento do fluido sangüíneo terá ampliado a concentração de vários sais minerais. Para preveni-los o melhor meio é tomar um litro de água antes de ir para a cama, tomar um remédio para dor de cabeça - de preferência numa forma solúvel para não irritar o estômago. Também ajuda a ingestão de vitamina C, de sucos de tomate ou limonadas, de ostras com limão, etc..

As Conseqüências Drásticas do Alcoolismo

Os principais sintomas do alcoolismo são a deterioração psicológica e física do viciado. À medida que a deterioração psicológica avança, o indivíduo vai perdendo sua capacidade mental, torna-se descuidado e impontual e não pode concentrar-se suficientemente para terminar um trabalho que não gosta de fazer. A deterioração física freqüentemente começa por tornar gordo e flácido o alcoólatra, mas, nos últimos estágios da doença, ele pode perder peso rapidamente, devido à subnutrição e são efeitos do álcool no fígado. Quanto mais álcool é ingerido, mais irritado se torna o revestimento do estômago e dos intestinos, as células do fígado morrem e são substituídas por um tecido fibroso (cirrose hepática), e a nutrição inadequada pode afetar os músculos cardíacos e os nervos dos braços e pernas. Além disso, como sua resistência orgânica é enfraquecida pelo álcool, os alcoólatras tendem à pneumonia e à tuberculose e a qualquer outro tipo de infecção. Talvez o mais conhecido dos sintomas do alcoolismo seja o delirium tremens - uma série de alterações agudas e subagudas que ocorrem nos alcoólatras crônicos. Começa com agitação e insônia e se desenvolve em delírio depois de um ou dois dias. Seus sinais mais terríveis são as alucinações que freqüentemente tomam a forma de animais, dos quais a vítima tenta fugir. O único tratamento realmente efetivo para o alcoolismo é fazer com que o viciado deixe de beber. Os métodos clínicos incluem drogas que, quando ingeridas, provocam no viciado aversão ao álcool. Mas o sucesso dos tratamentos depende muito da decisão do alcoólatra em deixar o vício. Unicamente uma questão de força de vontade que médicos clínicos e psiquiatras podem ajudar.

(Fonte: Saúde Gratuita)

O Corpo Humano .com.br - Manuel S. - Melhor visualizado em resolução 800x600