Com certeza todos pensamos que as nossas células são como balões cheios d'água: moles e sem forma definida. Na verdade nossas células não são assim, elas tem uma forma definida e consistência. Isso tudo, graças ao citoesqueleto: uma rede de fibras protéicas que funcionam como uma armação mantendo a célula consistente e firme.

Dentre essas fibras protéicas, merecem atenção os microfilamentos de actina, os microtúbulos e os filamentos intermediários.

Comecemos pelos microfilamentos, já que são os mais abundantes. Eles são feitos de actina, uma proteína capaz de se contrair. Presentes em células eucarióticas (que tem núcleo definido), elas cruzam a célula em várias direções, embora costumem se concentrar na periferia da célula, logo abaixo da membrana plasmática.

Seu tamanho costuma varia de 3 a 6 nanômetros, ou seja, extremamente finas e flexíveis. Esses filamento vão tornar possíveis muitos movimentos celulares como a fagocitose ou pinocitose.


Já os microtúbulos, são mais grossos que os microfilamentos, medindo de 20 a 25 nanômetros de diâmetro. Eles funcionam como esteiras ou antaimes de células eucarióticas. Eles são formados por moléculas de proteínas chamadas de tubulinas. Elas são organizadas em forma de mola de tal forma com que pareçam tubos.

Um das funções dos microtúbulos pode ser formar o fuso acromático, que vai participar ativamente na divisão celular ajudando a distrubuir igualmente os cromossomos de cada lado da célula. Os microtúbulos vão sair de uma região da célula conhecida como centrossomo. Saiba mais sobre isso visitando a página sobre mitose.

Voltando ao papel de esteiras, os microtúbulos podem transportar organóides, vesículas ou substâncias pela célula. Isso é possível graças a proteínas motoras, que vão ser a ligação entre o microtúbulo e o objeto a ser transportado. Um exemplo desse transporte pode ser visto no axônio do neurônio (aquela parte mais alongada). Nesse caso as proteínas motoras vão transportar substâncias para as terminações do axônio. Essas substâncias são muito importantes para a comunicação entre neurônios. Veja a animação abaixo:



Também existem os chamados filamentos intermediários. Eles recebem esse nome porque, tendo cerca de 10 nanômetros, seu tamanho fica no meio dos outros dois. Eles são os mais rigidos e duráveis de todas as fibras, tendo um papel importande na junção de células.
O Corpo Humano .com.br - Manuel S. - Melhor visualizado em resolução 800x600